A cena é única. Diferentes são os olhares de quem a vê

Resultado de imagem para olhares diferentes para uma cena

 

Inverno em Belo Horizonte. O mês é julho. Terça-feira à tarde, hora em que o sol já se afastou da piscina não aquecida do prédio. Moro aqui há quatro meses e, embora o pessoal da manutenção de piscinas venha diariamente, percebo que a água já baixou quatro azulejos.

Estou varrendo a varanda e vejo o zelador, um senhor idoso (provavelmente, o especialista) e um rapaz sem camisa dentro da piscina, com a água chegando próximo ao seu peito, em frente aos azulejos. Sinto por ele, pelo seu trabalho: a água fria, o tempo frio e nenhuma toalha por perto.

Na manhã seguinte, desço para buscar o jornal na portaria. Antes de me aproximar, ouço, ao retornar para o meu apartamento, uma moradora conversando com o porteiro, apenas as seguintes frases: “mas por que ele estava lá dentro? Precisava?” E, rapidamente, o porteiro tenta justificar, mas foi interrompido: “as últimas chuvas…” E a mulher emenda: “Absurdo! Eu não entro mais lá.”

Deixei para buscar o jornal depois.

Fiquei chocada e, para encerrar, lembrei-me de que o funcionário é negro.

3 thoughts on “A cena é única. Diferentes são os olhares de quem a vê

  1. Cena obscena que encena
    o olhar do preconceito…
    seria muito mais amena
    se houvesse amor no peito

    Ótimo flasche.
    Descrito com maestria…

    PARAÓTIMOS!

  2. Sem palavras. Como pode, nos dias de hoje? Inportante registrar. O preconceito é silencioso.
    Parabéns pela iniciativa!
    Beijos

  3. Amiga, que bom que vc registrou!! Pq ouço da maioria das pessoas que brasileiro não é “tão” preconceituoso assim. Como se fosse aceitável um “pouco” de preconceito e como se isto fosse verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website