Sexta-feira, que dia!

Em meio a tantas ligações que recebo durante o dia na minha empresa, uma me surpreendeu, numa tarde fria de sexta-feira, já prenunciando um final de semana com baixas temperaturas. Tratava-se de uma vendedora me oferecendo um pedaço de terra em um cemitério X, para eu descansar o meu gélido corpo quando passasse desta vida para outra melhor.
            A ligação me “pegou” de surpresa. O dia agitado com tantos compromissos, dívidas para pagar, naquela altura, eu não poderia nem cogitar morrer por agora; afinal, mesmo sabendo que não vou ficar para a semente, morrer precisa de “tempo”. Temos de colocar a casa em ordem primeiro, para, depois, sim, pagas as dívidas, filhos formados e o branco dos meus cabelos tomando todo o couro cabeludo, poderei me dar ao luxo de pensar em descansar em definitivo.
            Na verdade, achei até uma afronta da vendedora me oferecer um produto desses, numa sexta-feira que nem era da Paixão, numa hora tão imprópria, afinal, só tenho 45 anos e ainda não cheguei ao lucro do brasileiro que consegue passar dos 60. Porém, não posso negar que ela estava fazendo o seu trabalho, e, se o seu ganha-pão consiste em faturar com a morte dos outros, tenho de respeitar, afinal, o trabalho é honesto.
            A minha resposta foi imediata: no momento não posso mesmo. Busco alcançar o ponto de equilíbrio da empresa que inaugurei há menos de um ano.
            Naturalmente, a vendedora achou a minha resposta um descalabro e não duvido nada de que pensou consigo mesma: “tá pensando que a morte bate na porta, avisando a sua chegada, é dona? Como a senhora é ignorante! Ela chega sem avisar mesmo e nos pega desprevenidos, com dívida ou sem, não importa. Quem manda é ela e pronto, acabou. Não adianta chorar, nem explicar. E nem precisa fazer as malas… vamos de qualquer jeito.”
            Mas a vendedora foi complacente comigo. Disse que, no mês que vem, ligaria de novo. Tratei de me apressar a dizer-lhe que no outro mês eu ainda teria muitas dívidas para pagar, logo, não poderia ainda nem cogitar em morrer.
            Ela respondeu: “Obrigada e fique com Deus.” (Não sei se era uma graça ou uma ironia, já que eu não adquiri o seu produto.)
            Desliguei o telefone e fiquei pensando por alguns segundos como faria a minha família se eu morresse hoje. Não temos jazigo e ninguém tem gorda conta bancária para bancar enterro. Não que o morto não mereça! Não é isso! Mas, neste País, nascer e morrer não é para qualquer pé rapado, não!  A dor maior da mãe que dá a luz não é a do parto, mas, a da partida do hospital, pois, ela sabe que é um verdadeiro desfalque!
Não é diferente com a dor da partida para o cemitério. Aliás, há uma diferença, sim. Quando se parte para a casa com o recém-nascido, reina a alegria da chegada, e, então a descontração é maior. Agora, quando o defunto parte do lar para o cemitério, o constrangimento dos vivos é bem maior. Como negociar com a família que vem lhe cobrar uma ajuda de cada filho para enterrar o pai, se você não tem? E isso lá é hora de se falar em dinheiro?  Aí vira desaforo, falta de consideração, de amor ao próprio pai, e uma série de cobranças que, levando-se em conta a situação, nem é bom questionar e, assim, muitos assinam aquele cheque “Jesus Cristo”, que, ao chegar na “boca do caixa”, esse exclama sorridente: “Ele voltará!”
            Confesso que achei até graça na situação, muito embora, falar em morte não seja nem um pouco engraçado.
            Esqueci-me do telefonema e dois meses transcorreram com todos os atropelos, as dívidas e as dúvidas, as alegrias e alergias, as tristezas e despesas…
            Até que, hoje, numa sexta-feira, dia 30, último dia útil do mês em que a minha cabeça roda pensando nos encargos, vales-transportes, salários que terei de pagar, não é que lá pelas 16h de uma fria sexta-feira, prenunciando um final de semana ainda mais gelado, sem sol, a vendedora, que, por sinal, tem um nome tétrico: Saudade, me liga novamente, cobrando-me a reserva do meu pedaço de terra no cemitério X, que, por sinal, devido a grande procura, só restava esse pedaço a me ser vendido.
            Num átimo, pensei lhe falar meia dúzia de desaforos e perguntar a ela se me estava “agourando”. Contive-me e lhe disse que já havia batido um papo com a dona Morte, naquele mês, e, ela, pacientemente, me respondeu que eu poderia ficar sossegada, pois, para economizar a viagem, viria me buscar quando viesse buscar a Saudade, no caso, a vendedora, assim, faria uma viagem só.
            Ouvi um baque de telefone e, depois, o silêncio total.

 

                                                           

90 thoughts on “Sexta-feira, que dia!

  1. Baby massage has been around since way back when but is quickly regaining it’s popularity
    in America. Our lives are full of stress and countless responsibilities
    that may be overwhelmingly hectic at times. A well designed Rehabilitation program with the correct continuing development
    of proper stretching exercises means these basic functions can be preserved and
    improved upon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website