Engano urbano

    Século vinte e um. Tecnologia avançadíssima, bastando apenas um toque de dedos para clicar algum botão e, de repente, abre-se, à nossa frente, um mundo mágico…
            Contrastando a isso, o básico do básico parece ficar esquecido, relegado a um canto de tanto ser básico, e, assim desaprendemos ou nem aprendemos a lidar com o banal, perdendo-se então o controle de todo controle…
            Caminho pela ladeira com o molho de chaves do apartamento que acabei de receber da imobiliária, a fim de alugá-lo, caso seja do nosso agrado: meu e do meu companheiro.
            Muito embora muitas avenidas já possuam controle de semáforo, para que o pedestre atravesse em “segurança”, além de faixas exclusivas para ônibus, alguns bairros parecem pertencer a outro país, tamanha é sua deficiência básica: falta iluminação nas ruas, redes de esgoto e água, asfalto… faltas essas que favorecem à “sobra” da violência que se espalha na escuridão dos becos, nos assaltos, estupros, assassinatos…
            São 10 horas da manhã de uma radiante quarta-feira de primavera e nós vamos seguindo ruas, virando esquinas até encontrarmos a entrada do prédio.
            Com o molho de chaves na mão, não foi muito difícil achar a pequena chave que abre a portaria. Subimos as escadas e lá está o número do apartamento: 202. Já, a chave da porta confunde-se com outras que se encontram no chaveiro. Porém, estamos com tempo, e, assim, vamos testando pacientemente a chave que abrirá a porta.
            De repente, a porta dos fundos do mesmo apartamento abre-se abruptamente e um homem com um calibre 38 na mão, avança em nossa direção, enquanto berra:
            _ Parados aí! Como se atrevem a abrir o meu apartamento?
           Ainda não sei descrever, ao certo, a sensação de pânico que nos invadiu. Mas já era capaz de sentir a bala do revólver estilhaçando nosso corpo e o sangue rolando escada abaixo.
           A voz para a explicação teve de ser arrancada à força de dentro da garganta, já que o susto a sufocara:
       _ Peraí, moço, somos gente boa! Recebemos a chave da imobiliária e viemos conhecer o apartamento para alugá-lo…
            _ Como é que é? Alugar o apartamento que aluguei há um mês?
            _ O senhor já mora aí?
            _ Claro! O que eu estaria fazendo lá dentro se não morasse aqui?
            _ Bem, nesse caso, entregaram-nos a chave do apartamento errado. O senhor sabe se tem outro apartamento aqui para alugar?
            _ Não tem. Tenho certeza.
            Bruscamente ele tomou o molho de chaves da nossa mão e buscou conferir se alguma chave abria a sua porta. Achou e a abriu.
            Não acreditou. Nem nós acreditamos.
            Ele, por saber da insegurança em que se encontrava, achando-se seguro dentro de casa, ao menos.
           Nós, por saber que poderíamos ter sido mortos ao nos confundir com um assaltante, quando apenas buscávamos por mais segurança.
           Estupefatos ao devolver o molho de chaves e dedicar à imobiliária alguns desaforos, fomos surpreendidos pela funcionária que nos afirmou que enganos como esse acontecem vez por outra.
           Esse tipo de erro é urbano, e desumano!
            “Bala perdida mata criança no Rio.”
            “Brasileiro é morto por engano, ao ser confundido com terrorista.”
            “Pedreiro fica preso por engano durante dois anos.”
            “Dentista negro confundido com traficante é assassinado pela polícia.”  

 

9.460 thoughts on “Engano urbano

  1. Just want to say your article is as amazing. The clearness on your publish is
    simply spectacular and that i can assume you’re knowledgeable on this subject.
    Well together with your permission allow me to take
    hold of your feed to stay up to date with forthcoming post.
    Thanks 1,000,000 and please keep up the enjoyable work.

  2. This is really interesting, You are a very skilled
    blogger. I have joined your feed and look forward
    to seeking more of your excellent post. Also, I’ve shared your web site in my
    social networks!

  3. hello there and thank you for your info – I have definitely picked up anything new from right here.
    I did however expertise a few technical issues using this web site, as I experienced to reload the website many times previous to I could get it to
    load properly. I had been wondering if your web hosting is OK?

    Not that I’m complaining, but slow loading instances times will sometimes affect your
    placement in google and can damage your quality score if ads
    and marketing with Adwords. Well I’m adding this RSS
    to my e-mail and can look out for a lot more of your respective fascinating content.
    Make sure you update this again very soon.

  4. Hey! I know this is kind of off topic but I was wondering which blog platform are you using for this site?
    I’m getting sick and tired of WordPress because I’ve had problems
    with hackers and I’m looking at options for another platform.
    I would be great if you could point me in the direction of a good
    platform.

  5. Unquestionably imagine that which you stated. Your favourite reason appeared to
    be at the web the easiest factor to remember of. I say
    to you, I certainly get irked while people think about concerns that they just do not realize about.
    You managed to hit the nail upon the highest and also outlined out the whole thing with no need side-effects
    , folks could take a signal. Will probably be back to get more.
    Thanks

  6. Thank you, I’ve just been searching for info approximately this subject for a while and yours is the greatest I’ve found
    out so far. But, what concerning the bottom line? Are you
    certain in regards to the source?

  7. We stumbled over here coming from a different web address
    and thought I might as well check things out. I like what I see so now i’m following you.
    Look forward to going over your web page again.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website