VEREDAS

Olhe só, seu moço,

a história que vou contar:

como jagunço, busquei

a justiça realizar,

não sabia que o destino

uma peça ia me pregar.

 

O amor foi me encontrar

no amigo Diadorim,

mais que grande guerreiro

era o espelho de mim.

 

Foi invasão a paixão

que de mim se apoderou.

Querendo negar esta febre,

mais febril, ela me deixou.

 

E vi em Diadorim

a mulher que queria pra mim:

dedos finos, traços doces,

mas sorriso de Arlequim.

 

E, por fim, eu fui vencido

pela vida traiçoeira:

mataram Diadorim,

não O, mas A guerreira.

 

Termino esta história, seu moço,

com o pesar do meu preconceito:

tivesse desatrelado o amor,

teria eu amado direito.

 

Mas fica a lição do sertão

de ser tão belicoso:

vedando o coração,

“viver é perigoso!”.

 

 

 

 

 

8.368 thoughts on “VEREDAS

  1. Howdy just wanted to give you a quick heads up and let you know a few
    of the images aren’t loading correctly. I’m not
    sure why but I think its a linking issue. I’ve tried it in two different web browsers
    and both show the same results.

  2. Hello, Neat post. There’s a problem with your website in web explorer, could test this? IE still is the marketplace leader and a large section of people will omit your wonderful writing due to this problem.|

  3. Good day! I could have sworn I’ve been to this website before but after browsing through some of the articles I realized it’s new to me.
    Nonetheless, I’m definitely pleased I discovered it and I’ll be bookmarking it and checking back frequently!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website