VEREDAS

Olhe só, seu moço,

a história que vou contar:

como jagunço, busquei

a justiça realizar,

não sabia que o destino

uma peça ia me pregar.

 

O amor foi me encontrar

no amigo Diadorim,

mais que grande guerreiro

era o espelho de mim.

 

Foi invasão a paixão

que de mim se apoderou.

Querendo negar esta febre,

mais febril, ela me deixou.

 

E vi em Diadorim

a mulher que queria pra mim:

dedos finos, traços doces,

mas sorriso de Arlequim.

 

E, por fim, eu fui vencido

pela vida traiçoeira:

mataram Diadorim,

não O, mas A guerreira.

 

Termino esta história, seu moço,

com o pesar do meu preconceito:

tivesse desatrelado o amor,

teria eu amado direito.

 

Mas fica a lição do sertão

de ser tão belicoso:

vedando o coração,

“viver é perigoso!”.

 

 

 

 

 

6.954 thoughts on “VEREDAS

  1. Hi there! This blog post could not be written any better!
    Looking at this post reminds me of my previous roommate!
    He constantly kept talking about this. I am going to forward this article to him.

    Fairly certain he will have a good read. Many thanks for sharing!

Deixe uma resposta para Slot Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website