Esgotamento nervoso

Mais uma cerveja ­_ pedi ao garçom. Hoje estou arrasada. Dói-me o coração, pesa-me a saudade, abrem-se as feridas causadas pela surra que a vida me dá. Quisera esquecer aquele dia. Aquele dia em que ele me deixou feito saco de lixo em porta de casa: empacotada e encharcada da chuva de lágrimas derramadas durante toda a noite. Partiu assim: sem mais nem menos. Invadiu a minha vida como o sol que desvirgina a madrugada, expulsa de uma só vez a escuridão e, ao mesmo tempo, a solidão, pois traz a alegria, e por si só já é companhia…Saiu assim, como entrou: sorrateiro. Antes, fez do meu corpo a sua morada e ergueu-me castelo do barraco que eu, outrora, era… Agora, após esse forte furacão, essa tempestade de areia que insiste em embaçar os meus olhos, eu me vejo desfazendo palácio. Sou rota, restinga, resto. Preciso me recompor, quebrar os “icebergs” que me impedem a invasão de mares, de ares… Necessito banhar-me dessa imensidão de água salgada para destilar a água e o sangue que me compõem. Este sangue que jorra raiva e ódio por me sentir amputada, tetraplégica em vontades e atitudes…

Mais uma cerveja, imploro novamente ao garçom, enquanto anseio sair desse marasmo, dessa não-vontade de mudar, mas ao mesmo tempo me libertar, soltar as amarras da tristeza de me sentir presa a mim mesma, aos meus pensamentos e a essa saudade que me dilacera aos poucos, feito urubu fazendo festa na carcaça do meu corpo…
Olho o relógio. A noite adentra a madrugada e eu estou só. Só, socada, seca de amor.
Levanto e me dirijo ao banheiro. Necessito me refazer. De frente para o vaso, a foto. A moça me ensina a usar o assento descartável. A bela moça: cabelos pretos e longos feitos os meus, olhos castanhos e pele morena clara como eu, olhar indígena igual ao meu, sorriso sincero e verdadeiro. Não é possível! Essa moça sou eu!
Aproximo-me do painel com a foto. Embora pequena, identifico-me. Sou eu mesma. Como foi possível? Alguém andou brincando comigo. Eu não fiz esta foto, mas a moça sou eu. Assento-me no vaso diante da foto e tento recuperar a lucidez um pouco prejudicada pelo álcool, porém, convenço-me de que não estou ébria. Estou sóbria. Preciso denunciar a fraude. Fui enganada. Não bastasse a felicidade que me bateu à porta e, depois que a deixei entrar, bateu a porta e se foi, agora a vergonha de ser reconhecida por todos em situação desastrosa, expondo o meu rosto em banheiros, onde o mais íntimo do ser humano desce esgoto abaixo… Rebaixada, foi como me senti. Abro a porta abruptamente e já saio dando escândalo:
_ Quero o gerente. Que me explique por que estou aqui. Preciso saber quem me trouxe…
_ Calma, calma… alguém me diz.
Calma que nada! Estou exposta, sangrando decepção, dilacerada e mutilada. Lá dentro, sorrindo uma felicidade inexistente… Quero o responsável pelo meu roubo. Roubaram minha identidade, minha felicidade. Sinto-me nua de mim mesma. É preciso que me expliquem como isso aconteceu…
Exijo uma resposta, quero um contato com o representante dos assentos descartáveis. Quero saber como vim parar aqui e em todos os lugares… De descartada, bastam-me as vezes em que fui desprezada… Quero ser original, única e altamente aproveitável pelo mundo.
Tentam me convencer de que não sou eu a moça do retrato no banheiro. Não aceito que me enganem. Conheço-me melhor do que eles. Sei que se trata de mim. Perco a paciência. Enfrento o banheiro, munida de papel e caneta, e anoto o telefone do fabricante. Exijo do bar o telefone, e após vários telefonemas e minhas exigências, aguardo pelo fax a identidade da moça do retrato.
Enquanto todos são esperas, eu sou certeza.
O telefone do fax toca. O barulho se inicia.
Defronte ao aparelho, porto-me fixa ao papel que se levanta à medida que a impressão se realiza.
Primeiramente, surge a foto e logo os dados: nome, data de nascimento, idade, naturalidade, filiação…
Fecho os olhos enquanto os outros olhos me fitam, e a cor vermelha inunda a minha face. A vergonha é amiga íntima.
Confirmo que não sou eu. Porém, posso dizer que agora tenho uma sósia, muito embora, ao retornar no outro dia, refeita, renascida, reconstituída, de barraco a casa decente, sem luxo, mas transparente, sóbria, com os olhos desembaçados e sobrevivida às últimas tempestades, certifico-me de que ainda não tenho sósia. Tudo não passou de uma tentativa de sobreviver, de não me permitir descer ao esgoto…                                   

                                      

5.539 thoughts on “Esgotamento nervoso

  1. Your style is really unique compared to other people I’ve read stuff from. Many thanks for posting when you’ve got the opportunity, Guess I’ll just book mark this page.

  2. whoah this blog is excellent i love reading your posts. Keep up the great work! You know, many people are hunting around for this information, you can help them greatly.

  3. Aw, this was a very nice post. In idea I wish to put in writing like this additionally – taking time and precise effort to make an excellent article… however what can I say… I procrastinate alot and not at all seem to get something done.

  4. Woah! I’m really digging the template/theme of this website. It’s simple, yet effective. A lot of times it’s difficult to get that “perfect balance” between user friendliness and visual appeal. I must say you’ve done a awesome job with this. Also, the blog loads very quick for me on Internet explorer. Outstanding Blog!

  5. Howdy just wanted to give you a quick heads up. The text in your article seem to be running off the screen in Chrome. I’m not sure if this is a formatting issue or something to do with internet browser compatibility but I thought I’d post to let you know. The layout look great though! Hope you get the problem fixed soon. Cheers|

  6. You’re so interesting! I don’t think I’ve truly read anything like that before. So wonderful to discover somebody with some original thoughts on this subject. Really.. many thanks for starting this up. This web site is one thing that’s needed on the internet, someone with some originality!|

  7. An impressive share! I have just forwarded this onto a colleague who has been doing a little homework on this. And he in fact ordered me dinner simply because I found it for him… lol. So allow me to reword this…. Thanks for the meal!! But yeah, thanks for spending time to talk about this topic here on your web page.

  8. I was pretty pleased to uncover this page.
    I want to to thank youu for ones tijme due to this wonderful read!!
    I definitely enjoyd every little bit of it and i also have you boojmarked to see new things on your site.

  9. Iím amazed, I have to admit. Rarely do I encounter a blog thatís equally educative and engaging, and without a doubt, you have hit the nail on the head. The problem is something which not enough folks are speaking intelligently about. Now i’m very happy I stumbled across this during my hunt for something relating to this.

  10. When I initially left a comment I appear to have clicked the -Notify me when new comments are added- checkbox and now whenever a comment is added I get 4 emails with the same comment. Is there a means you can remove me from that service? Thanks a lot!

  11. Hello! I could have sworn Iíve been to your blog before but after going through many of the posts I realized itís new to me. Anyhow, Iím certainly pleased I found it and Iíll be bookmarking it and checking back regularly!

  12. Having read this I thought it was rather informative. I appreciate you taking the time and effort to put this short article together. I once again find myself spending a significant amount of time both reading and commenting. But so what, it was still worth it!

Deixe uma resposta para endocrinologist near me Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Website